28 de ago de 2013

Depressão

Hoje o post é sobre uma das doenças que mais atinge a população mundial no século 21, a depressão.



O que é Depressão?
A depressão é um distúrbio afetivo que acompanha a humanidade ao longo de sua história. No sentido patológico, há presença de tristeza, pessimismo, baixa autoestima, que aparecem com frequência e podem combinar-se entre si. É imprescindível o acompanhamento médico tanto para o diagnóstico quanto para o tratamento adequado.



Causas
A depressão é uma doença. Há uma série de evidências que mostram alterações químicas no cérebro do indivíduo deprimido, principalmente com relação aos neurotransmissores (serotonina, noradrenalina e, em menor proporção, dopamina), substâncias que transmitem impulsos nervosos entre as células. Outros processos que ocorrem dentro das células nervosas também estão envolvidos.


Ao contrário do que normalmente se pensa, os fatores psicológicos e sociais, muitas vezes, são consequência e não causa da depressão. Vale ressaltar que o estresse pode precipitar a depressão em pessoas com predisposição, que provavelmente é genética. A prevalência (número de casos numa população) da depressão é estimada em 19%, o que significa que aproximadamente uma em cada cinco pessoas no mundo apresenta o problema em algum momento da vida.

Depressão é a tristeza quando não acaba mais. É uma doença que ataca tão subrepticiamente, que a maioria dos que sofrem dela nem percebem que estão doentes. De cada dez pessoas que procuram o médico, pelo menos uma preenche os requisitos para o diagnóstico de depressão.

Do início insidioso, a depressão evolui continuamente para quadros que variam de intensidade e duração. Nos casos mais simples, a pessoa pode curar-se por conta própria em duas a quatro semanas. Passado esse período sem haver melhora, os especialistas recomendam atenção e tratamento, porque a depressão prolongada pode levar a suicídio e mortes por causas naturais.



É um transtorno psiquiátrico que afeta pessoas de todas as idades. Caracteriza-se pela perda de prazer nas atividades diárias (anedonia), apatia, alterações cognitivas (diminuição da capacidade de raciocinar adequadamente, de se concentrar ou/e de tomar decisões), psicomotoras (lentidão, fadiga e sensação de fraqueza), alterações do sono (mais frequentemente insônia, podendo ocorrer também hipersonolência), alterações do apetite (mais comumente perda do apetite, podendo ocorrer também aumento do apetite), redução do interesse sexual, retraimento social, ideação suicida e prejuízo funcional significativo (como faltar muito ao trabalho ou piorar o desempenho escolar).

O transtorno depressivo maior diferencia-se do humor "triste", que afeta a maioria das pessoas regulamente, por se tratar de uma condição duradoura (a maior parte do dia, quase todos os dias, pelo menos 2 semanas), de maior intensidade ou mesmo por uma tristeza de qualidade diferente da tristeza habitual, acompanhada de vários sintomas específicos e que trazem prejuízo à vida da pessoa. A distimia é um outro tipo de transtorno depressivo caracterizado por sintomas de menor intensidade, mas com caráter bastante crônico (a maior parte do dia, quase todos os dias, pelo menos 2 anos). Ou seja, depressão não é tristeza. É uma doença que precisa de tratamento.


Sintomas de Depressão
São sintomas de depressão:
Humor depressivo ou irritabilidade, ansiedade e angústia
Desânimo, cansaço fácil, necessidade de maior esforço para fazer as coisas
Diminuição ou incapacidade de sentir alegria e prazer em atividades anteriormente consideradas agradáveis
Desinteresse, falta de motivação e apatia
Falta de vontade e indecisão
Sentimentos de medo, insegurança, desesperança, desespero, desamparo e vazio
Pessimismo, ideias frequentes e desproporcionais de culpa, baixa autoestima, sensação de falta de sentido na vida, inutilidade, ruína, fracasso, doença ou morte.
A pessoa pode desejar morrer, planejar uma forma de morrer ou tentar suicídio
Interpretação distorcida e negativa da realidade: tudo é visto sob a ótica depressiva, um tom "cinzento" para si, os outros e o seu mundo
Dificuldade de concentração, raciocínio mais lento e esquecimento
Diminuição do desempenho sexual (pode até manter atividade sexual, mas sem a conotação prazerosa habitual) e da libido
Perda ou aumento do apetite e do peso
Insônia (dificuldade de conciliar o sono, múltiplos despertares ou sensação de sono muito superficial), despertar matinal precoce (geralmente duas horas antes do horário habitual) ou, menos frequentemente, aumento do sono (dorme demais e mesmo assim fica com sono a maior parte do tempo)
Dores e outros sintomas físicos não justificados por problemas médicos, como dores de barriga, má digestão, azia, diarreia, constipação, flatulência, tensão na nuca e nos ombros, dor de cabeça ou no corpo, sensação de corpo pesado ou de pressão no peito, entre outros.



Tratamento de Depressão
O tratamento da depressão é essencialmente medicamentoso. Existem mais de 30 antidepressivos disponíveis. Ao contrário do que alguns temem, essas medicações não são como drogas, que deixam a pessoa eufórica e provocam vício. A terapia é simples e, de modo geral, não incapacita ou entorpece o paciente.
Alguns pacientes precisam de tratamento de manutenção ou preventivo, que pode levar anos ou a vida inteira, para evitar o aparecimento de novos episódios de depressão. A psicoterapia ajuda o paciente, mas não previne novos episódios, nem cura a depressão.
A técnica auxilia na reestruturação psicológica do indivíduo, além de aumentar a sua compreensão sobre o processo de depressão e na resolução de conflitos, o que diminui o impacto provocado pelo estresse.

Fontes:

Gente, isso é um problema muito sério, muita gente acha que é manha, birra, e etc, sei disso porque já tive e ainda tenho recaídas, que não são nada fáceis, e são poucas pessoas que te entendem.
A depressão pode ser causada por fatores biológicos, psicossociais, físicos, entre outros. Os sintomas são cognitivos ( tristeza, ansiedade, ...), fisiológicos ( fadiga, cansaço, falta de vontade, ...),  comportamentais (isolamento social, vontade de chorar, ...), e psicóticos ( angustia, sensação de culpa, ...). Só que já teve ou tem pra saber como isso é difícil, doloroso.
Pra quem está sofrendo, ou conhece alguém que sofre desse mal, aconselho a procurar ajuda médica e psicológica, porque eles sim tem condições de ajudarem de acordo com o seu grau de depressão.
Espero que tenha gostado desse post, pretendo fazer um post sobre esses males do século 21 toda semana, todos sabemos que elas atingem cada vez mais pessoas a cada dia que passa, e sempre é bom estar bem informado sobre isto.
Super beijo.

3 comentários:

  1. Adorei o seu blog querida, tudo muito bem feito por aqui,ótimas resenhas, posts e fotos.
    Adoro ler posts com esse assunto.

    Tenha certeza que irei indicar o seu blog para as minhas leitoras e amigas.

    Também sou blogueira do Não Vivo Sem Esmaltes, um blog que fala sobre maquiagem, perfumes, cosméticos e tendências.

    JÁ ESTOU SUPER SEGUINDO AQUI, SE VOCÊ QUISER VISITAR E SEGUIR O MEU BLOG TAMBÉM:

    BEIJOOOS


    WWW.NAOVIVOSEMESMALTES.COM

    ResponderExcluir
  2. Ótimo post, foi tudo que meu médico disse para mim. Tenho depressão, não tão grave e tomo remédios que não me viciam. Bjuss Mari
    coisasdemeninaweb.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Legal o post,ainda tenho um pouco,mas nada igual era antes.
    Ela vem e a gente nem percebe,só quando alguém nos freia na vida.

    Bjs e obrigada pela visita

    ResponderExcluir

Página Anterior Próxima Página Home
Layout criado por;